FECOMERCIO

Notícias do Setor

Empresa declarada inidônea vende ao PAC

Fonte: Expresso MT   –   11/04/2011 Após ser declarada inidônea pelo governo na esteira do mensalão, devido a cobrança de propina para o PTB em negócios com os Correios, a empresa Dismaf (Distribuidora de Manufaturados Ltda) mudou de ramo e fecha contratos milionários em obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), por meio da Valec, estatal […]

11/04/2011

Fonte: Expresso MT   –   11/04/2011

Após ser declarada inidônea pelo governo na esteira do mensalão, devido a cobrança de propina para o PTB em negócios com os Correios, a empresa Dismaf (Distribuidora de Manufaturados Ltda) mudou de ramo e fecha contratos milionários em obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), por meio da Valec, estatal do Ministério dos Transportes responsável pela infraestrutura ferroviária. Um de seus donos, Basile Pantazis, é tesoureiro do PTB-DF e seria operador do caixa do partido.

Segundo denúncia revelada pela revista “Veja”, a Dismaf tinha uma operação de R$2,6 milhões, com os Correios – a Polícia Federal tem documentos que indicam pagamento de propina de 4% ao PTB. Mas, ano passado, fechou negócios de R$346 milhões com a Valec. E ganhou nova licitação de R$720 milhões, barrada pelo Tribunal de Contas da União, para fornecer trilhos para as ferrovias Norte-Sul e integração Oeste-Leste.

Em 2010, a Dismaf foi proibida de licitar e fechar contratos com os Correios até 2015. Segundo a Controladoria-Geral da União (CGU), a proibição vale em toda a administração federal.

Procurado pelo O GLOBO, o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, acusado de liderar um esquema de corrupção nos Correios, disse não conhecer a empresa, nem Basile:

– Dismaf? Nunca ouvi falar e nunca tive nada a ver com os Correios. Também não conheço o Basile. Deve ser ligado ao Gim Argello. E a denúncia parece fruto de guerra de mercado.

Segundo a “Veja”, Basile seria o operador do caixa do PTB. Sua atuação também alcançaria a BR Distribuidora, e a CONAB. Basile é amigo próximo do senador Gim Argello (PTB-DF), que seria elo político com os negócios da Valec. Argello disse à revista que é o responsável pela arrecadação partidária, e não Basile.

Em nota, a CGU informou que determinou apuração e eventual punição ao responsável na Valec por ter autorizado a participação da Dismaf na licitação. O Ministério dos Transportes congelou a concorrência temporariamente e a Dismaf informou que está impedida de fechar negócios só com os Correios e que não foi declarada inidônea.

Fonte: Expresso MT   –   11/04/2011