FECOMERCIO

Notícias do Setor

Inflação: por que o Governo Federal é tão incompetente?

Fonte: Administradores   –   19/04/2011 Sem querer dá uma aula de economia, inflação é a desvalorização do poder de compra do dinheiro. Sobre outra visão, demonstra o quanto os preços praticados no mercado aumentaram no decorrer do tempo. E, é altamente influenciada pela “lei da oferta e da procura”. Portanto, a inflação é o resultado de […]

20/04/2011

Fonte: Administradores   –   19/04/2011

Sem querer dá uma aula de economia, inflação é a desvalorização do poder de compra do dinheiro. Sobre outra visão, demonstra o quanto os preços praticados no mercado aumentaram no decorrer do tempo. E, é altamente influenciada pela “lei da oferta e da procura”. Portanto, a inflação é o resultado de uma balança; que de um lado têm-se os consumidores (que geram a demanda) e do outro se tem o mercado (que são as indústrias, comércio, agroindústria, pecuária, etc.; que geram a oferta). Toda vez que a demanda é superior à oferta, o preço sobe; ou melhor, se tem inflação.

O que o governo (ineficaz) faz para resolver isso?

Historicamente, nosso governo tem aplicado apenas uma única solução: aumentar a taxa de juros. Esta alternativa atinge diretamente o lado errado da balança, isto é, o consumidor.
Comparativo entre IGP-M, Selic e PIB

Basta olhar para o gráfico e perceber que o aumento da taxa de juros não freia a inflação, no máximo faz uma leve pressão, com destaque em 2010 que a inflação foi superior à taxa de juros.

Outra constatação é o tamanho da pressão que a taxa de juros faz em relação ao nosso crescimento (PIB) entre 1995 e 2009 a média de crescimento do PIB é 2,9%, em 2010 o PIB foi de 7,5% (com muito orgulho para o governo), porém a média entre 1995 e 2010, passa a ser míseros 3,2%.

Se esta alternativa é ineficaz, qual seria a eficaz?

1. Agir no outro lado da balança, ou seja, investir agressivamente na indústria, comércio, agroindústria, etc. Através de financiamentos, incentivos fiscais, etc., se isso fosse feito, como deveria, não teríamos apenas oferta suficiente para atender a demanda, mas teríamos geração de emprego e renda.
2. Reduzir a carga tributária. É o maior obstáculo que os empregadores encontram para gerar emprego; porém reduzir a carga tributária de uma hora para outra não é a solução, pois geraria mais inflação. A redução deve ser gradativa. À proporção que tivermos deflação no mercado podemos reduzir a carga tributária até ter seu equilíbrio. Mas se reduzir os tributos reduzir-se-ia a arrecadação do governo, porém entendo que atualmente os cofres públicos estão abarrotados de dinheiro, pois é notório o crescimento da arrecadação tributária. Portanto, reduzir os tributos trará uma reforma na gestão pública.
3. Acabar com a corrupção. A opinião de todo brasileiro é “acabar com a corrupção! Duvido!”. E não é para menos, somos um dos governos mais corruptos do mundo e isto é o câncer do país. E como tal irá matar o país.

Em minha opinião, o Brasil nunca será um país desenvolvido; sempre terá o status de “país em desenvolvimento” e enquanto existirem políticos corruptos não passará disso.

Conclusão:

* Aumentar a taxa de juros não reduz a inflação fortemente;
* Aumentar a taxa de juros impede o país de crescer;
* O governo deve investir responsavelmente no desenvolvimento do país, para gerar oferta;
* Reduzi a carga tributária de maneira estratégica;
* Erradicar a corrupção.

Fonte: Administradores   –   19/04/2011