FECOMERCIO

Notícias do Setor

No Brasil, Bradesco perde para o Banco do Brasil o comando do Banco Postal

Fonte: Correio do Brasil   –   20/06/2011 BRASÍLIA/BRASIL – No Brasil, em um lance vencedor de R$2,3 Bilhões, o Banco do Brasil ganhou o leilão para ser parceiro dos Correios no Banco Postal, com o direito de atuar, inicialmente, em 6.195 agências postais a partir de 2 de janeiro do próximo ano. Desde a sua fundação, […]

21/06/2011

Fonte: Correio do Brasil   –   20/06/2011

BRASÍLIA/BRASIL – No Brasil, em um lance vencedor de R$2,3 Bilhões, o Banco do Brasil ganhou o leilão para ser parceiro dos Correios no Banco Postal, com o direito de atuar, inicialmente, em 6.195 agências postais a partir de 2 de janeiro do próximo ano.

Desde a sua fundação, há dez anos, o Banco Postal foi comandado pelo Banco Bradesco. Agora, com o Banco do Brasil, será a primeira vez que outra instituição bancária cuidará desse negócio, que em 2010 apresentou um lucro da ordem de R$ 820 milhões.

O leilão do Banco Postal ocorreu em 12 rodadas, com a participação do Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Caixa Econômica. Em seu último lance, o segundo colocado Bradesco ofereceu R$ 2,25 bilhões.

O Banco Postal oferece serviços bancários básicos, como abertura de conta corrente, saque e pagamento de benefício do INSS.

O contrato entre os Correios e Banco do Brasil será de cinco anos, e deverá ser assinado dentro de 15 dias. Dez dias após a assinatura, o banco deverá pagar os R$ 2,3 bilhões, que é o valor de acesso ao negócio.

Até 2 de janeiro do próximo ano, o Banco do Brasil, também, deverá R$ 500 milhões aos Correios, referentes ao valor estimado das agências do Banco Postal. Ao longo dos cinco anos de contrato, os Correios deverão receber ainda um mínimo de R$ 350 milhões pela participação nas tarifas cobradas.

Do leilão do Banco Postal puderam participar instituições financeiras ou instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central que tenham ativo igual ou maior a R$ 21,6 bilhões e patrimônio líquido igual ou maior a R$ 2,160 bilhões.

O edital publicado pelo governo determina uma tabela de tarifas, entre elas R$ 28,08 para abertura de conta-corrente e poupança, R$ 1,40 para saque em conta-corrente e poupança, R$ 0,97 para consulta de saldo e R$ 1,44 para pagamento de benefícios do INSS.