FECOMERCIO

Notícias do Setor

Paulo Bernardo defende mudanças no estatuto dos Correios

Fonte: O Globo   –   17/03/2011 BRASÍLIA – O governo vai mandar em breve para o Congresso pedido para mudar o estatuto dos Correios. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse nesta quarta-feira, que um dos objetivos é autorizar a atuação da estatal no exterior. Em Miami, por exemplo, os Correios pagam muito dinheiro para fazer […]

17/03/2011

Fonte: O Globo   –   17/03/2011

BRASÍLIA – O governo vai mandar em breve para o Congresso pedido para mudar o estatuto dos Correios. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse nesta quarta-feira, que um dos objetivos é autorizar a atuação da estatal no exterior. Em Miami, por exemplo, os Correios pagam muito dinheiro para fazer convênio com empresas americanas para distribuição de encomendas de empresas brasileiras. Ele disse que avalia que os Correios podem ter uma atuação própria lá. A empresa também poderá ampliar a sua atuação postal, com constituição de subsidiária e participação em outras sociedades.

– O estatuto da empresa é de 1969, como ele foi baixado por um decreto-lei, precisamos de lei para alterá-lo. Devemos mandar nos próximos dias uma proposta legislativa para mudar este estatuto, para autorizar esta mudança – disse ele.

O Correio vai fazer uma licitação nova do banco postal, afirmou o ministro, porque no final do ano termina o convenio que tem com o Bradesco. Ele disse que o governo pretende fazer a regulamentação da lei postal que a lei é de 1978, que não foi feita até hoje.

Paulo Bernardo falou sobre a estrutura dos Correios que tem 19 mil postos de atendimento sendo 6.195 agências próprias, 6.142 terceirizadas, das quais 1.418 são franqueadas, 241 permissionárias e 4.838 comunitárias organizadas em conjunto com os municípios. E existem ainda pontos de venda de produtos e mais de 9 mil postos de movimentação de cargas e 44 mil unidades de transportes, como caminhões.

O ministro não fez previsão sobre a data em que a proposta deve ser enviada ao Congresso.

Fonte: O Globo   –   17/03/2011