FECOMERCIO

Notícias do Setor

Revista inglesa destaca atuação dos Correios no Brasil

O serviço de correios se ampliou em 1777 especialmente em virtude do conflito militar com os espanhóis no sul.

03/04/2013

Fonte: http://blog.correios.com.br/correios/

Em 1773, o serviço de estafetas do Morgado de São Mateus, por terra, teve início entre as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. As cartas deviam ser entregues na residência do capitão Antônio Francisco de Sá, em São Paulo, de onde partiam os correios para o Rio de Janeiro e para as localidades intermediárias.

Nesta época em que os Correios do Brasil ainda davam os seus primeiros passos, João Pereira Caldas, governador e capitão-general da Capitania do Grão-Pará, mandou construir, nos estaleiros da Ribeira uma canoa artilheira, para suas visitas às fortalezas e povoações do interior. Nessa embarcação fazia questão de transportar, também, correspondência oficial e particular, sendo esta última paga na origem, em conformidade com o Regimento específico.

O serviço de correios se ampliou em 1777 especialmente em virtude do conflito militar com os espanhóis no sul. Ainda nesse ano, Ilhéus, na Bahia, também usufruiu dos benefícios do correio terrestre. O capitão-general, governador Manoel da Cunha Meneses, instituiu uma linha de estafetas entre as cidades do Salvador e Rio de Janeiro. Isso facilitou a presteza da remessa de correspondência oficial. Foram fixados sítios de paradas com intervalos nos quais residia um funcionário encarregado de receber e despachar as malas postais, sem perda de tempo, para as paradas seguintes.

Em 1783, o capitão-general e governador de Minas Gerais, D. Rodrigo José de Meneses, se preocupava em como incrementar o comércio na região. Para isso, achava necessário que fossem instituídos correios de Minas Gerais para as demais Capitanias circunvizinhas.